Resenha da obra “Responsabilidade civil e direito de família - o direito de danos na parentalidade e conjugalidade”

coordenada por Ana Carolina Brochado Teixeira, Nelson Rosenvald e Renata Vilela Multedo (2021)

Palavras-chave: família, direito de danos, conjugalidade, parentalidade

Resumo

É fato indiscutível que a família, a mais importante das instituições civilistas, vem sofrendo modificações de efeitos incalculáveis ao longo dos anos. De modo a compreender melhor o remodelamento ocorrido, convém segmentar o estudo em dois grandes grupos: a conjugalidade e a parentalidade. Se traçarmos uma linha histórica no que tange à conjugalidade, perceberemos que esta, no primeiro Código Civil Brasileiro, de 1916, era vista dentro de um modelo de família patriarcal fundado no casamento indissolúvel, ou seja, no vínculo eterno entre os cônjuges.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karenina Carvalho Tito
Advogada; Professora da Universidade Estadual do Piauí (UESPI); Mestre e Doutoranda pela Universidade de Coimbra. Associada do IBERC (Instituto Brasileiro de Estudos de Responsabilidade Civil); Investigadora colaboradora do Instituto Jurídico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra; Presidente da Comissão de Responsabilidade Civil da OAB/PI.
Publicado
21-10-2022
Como Citar
TitoK. C. Resenha da obra “Responsabilidade civil e direito de família - o direito de danos na parentalidade e conjugalidade”: coordenada por Ana Carolina Brochado Teixeira, Nelson Rosenvald e Renata Vilela Multedo (2021). Revista IBERC, v. 5, n. 3, p. 197-201, 21 out. 2022.
Seção
Resenhas